domingo, 6 de fevereiro de 2011

Revolução pela mídia social

Evolução é lei universal. Evoluem átomos, planetas, plantas, cidades. O homem evolui.

Estamos chegando ao início de uma grande fase de transição planetária. Novas tecnologias serão descobertas, pesquisas científicas irão detectar ondas magnéticas nunca antes imaginadas; religiões serão extintas, outras renovadas, outras terão uma visão cada vez menos ortodoxicas; governos egoístas irão sucumbir, novos governantes trarão igualdade a povos muito sofridos.

Porém, todos, todos nós somos responsáveis por cada uma dessas mudanças necessárias, de maneira direta e indireta. Que cada vez mais possamos abrir meios de discussão para temas relevantes, e agir em conjunto para construir um mundo solidário e fraterno, um mundo sem egoísmos e violências (econômicas, religiosas, físicas, psicológicas, culturais, etc).

E nesse vai e vem de notícias, um amigo postou um vídeo interessantíssimo, produzido por Erik Qualman, escritor do livro Socialnomics. Traz dados surpreendentes que revelam como a internet tem sido utilizada nos últimos meses de forma revolucionária, do ponto de vista econômico e político.

  • atuar em redes sociais online superou a pornografia como atividade número um na web;
  • enquanto o rádio levou 38 anos para atingir uma audiência de 50 milhões de usuário, e a televisão precisou de 13 anos, o Facebook atingiu 100 milhões de usuários em apenas 9 meses;
  • se o Facebook fosse um país, estaria entre os 5 maiores países do mundo;
  • a rede social QZone, na China, tem mais de 300 milhões de usuários;
  • 80% das empresas está usando o LinkedIn como ferramenta para encontrar funcionários;
  • o segmento que mais cresce no Facebook é o de mulheres entre 55 e 65 anos;
  • algumas celebridades têm mais seguidores no Twitter do que a população de países inteiros, como Noruega, Irlanda e Panamá;
  • 25% do resultado de buscas pelas 20 maiores marcas são links para conteúdos gerados por pessoas (UGC - user generated content);
  • 34% dos blogs postam opiniões sobre produtos e marcas;
  • 78% dos consumidores confiam nas recomendações de amigos sociais, enquanto apenas 14% confiam em propaganda;
  • mais de 1,5 milhões de peças de conteúdo (links, notícias, posts de blogs, notas, fotos, etc.) são compartilhados diariamente no Facebook.
Assista!

2 comentários:

Ju Pic disse...

Vamo que vamo! Evoluindo, rindo, aproveitando a vida das diversas formas que vamos percebendo, recebendo e doando.

William Schineider Rabelo disse...

Caraaa massa o post, interessante os dados levantados, não imaginava essa mudança

abraçãoo André

Paz e Luz